CÓDIGO DE ÉTICA

A Gazeta da Manhã é um portal de conteúdo que produz jornalismo independente. Isso significa que nós mesmos estabelecemos a nossa agenda. Não agimos pelos interesses de ninguém. Nossas matérias são totalmente livres da influência de magnatas, grandes empresários ou políticos de qualquer nível.

Ninguém orienta nossas opiniões. Ninguém edita nossos editores.

É essa independência editorial que nos permite dar voz aos menos ouvidos. Que nos permite desafiar os poderosos e, quando necessário, buscar que eles sejam responsabilizados. Que nos diferencia de tantos veículos vazios, em uma época da história humana em que a busca pela verdade não é apenas necessária, mas crucial para o jornalismo em si e para as pessoas que o consomem. Nós fazemos jornalismo honesto e sem medo, porque buscamos a verdade, não a aprovação.

Para tal, nos baseamos num rígido Código de Ética, que nos norteia em todas as situações. Este modelo, baseado no Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, nos confere uma série de sugestões para serem utilizadas em situações diversas. Criamos nosso código porque a nossa moeda mais importante é a sua confiança e isso é tão verdadeiro hoje quanto era quando a Gazeta da Manhã foi criado, em 2016.

Código de Ética do Weese

  • O acesso à informação pública é um direito inerente à condição de vida em sociedade, que não pode ser impedido por nenhum tipo de interesse. Por isso, a Gazeta da Manhã assume o compromisso de informar todos os fatos que puder, com a máxima velocidade, considerando o tempo mínimo para conferir os fatos.
  • A divulgação da informação precisa e correta é obrigação da Gazeta da Manhã e, individualmente, de todos os membros da sua equipe, independente da natureza de sua propriedade.
  • A informação publicada pela Gazeta da Manhã se pautará pela real ocorrência dos fatos e terá por finalidade o interesse social e coletivo.
  • A apresentação de informações, cujas atividades produzam efeito na vida em sociedade, é uma obrigação social da Gazeta da Manhã.

Conduta profissional dos nossos jornalistas

  • Todos os nossos jornalistas estão subordinado a este Código de Ética.
  • O principal compromisso do jornalista é com a verdade dos fatos. Por isso, seu trabalho se pauta pela precisão no momento da apuração dos acontecimentos e divulgação correta de todos os dados.
  • O jornalista tem o direto de guardar a origem e a identidade de suas fontes de informação sempre que considerar isso correto e necessário.

É dever do jornalista:

  • Divulgar todos os fatos que sejam de interesse público;
  • Lutar pela liberdade de pensamento e expressão;
  • Defender o livre exercício da profissão;
  • Valorizar, honrar e dignificar a profissão;
  • Opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão;
  • Combater e denunciar todas as formas de corrupção;
  • Respeitar o direito à privacidade do cidadão;
  • Prestigiar as entidades representativas e democráticas da categoria.

O jornalista não pode:

  • Aceitar oferta de trabalho remunerado em desacordo com o piso salarial da categoria ou com tabela fixada pela sua entidade de classe;
  • Submeter-se a diretrizes contrárias à divulgação correta da informação;
  • Frustar a manifestação de opiniões divergentes ou impedir o livre debate;
  • Concordar com a prática de perseguição ou discriminação por motivos sociais, políticos, religiosos, raciais, de sexo e de orientação sexual;
  • Exercer cobertura jornalística, pelo órgão em que trabalha, em instituições públicas e privadas onde seja funcionário, assessor ou empregado.

Responsabilidades do Jornalista

  • O jornalista é responsável por toda a informação que divulga, desde que seu trabalho não tenha sido alterado por terceiros.
  • O jornalista deve evitar a divulgação dos fatos com interesse de favorecimento pessoal ou vantagens econômicas. Também deve evitar fatos de caráter mórbido e contrários aos valores humanos.
  • O jornalista deve ouvir sempre, antes da divulgação dos fatos, todas as pessoas objeto de acusações não comprovadas, feitas por terceiros e não suficientemente demostradas ou verificadas. Ele também deve tratar com respeito todas as pessoas mencionadas nas informações que divulgar.
  • O Jornalista deve permitir o direito de resposta às pessoas envolvidas ou mencionadas em sua matéria, quando ficar demonstrada a existência de equívocos ou incorreções.
  • O jornalista deve preservar a língua e a cultura nacionais.
  • O jornalista deve lutar pelo exercício da soberania do Brasil, em seus aspectos político, econômico e social, bem como pela prevalência da vontade da maioria da sociedade, sempre respeitados os direitos das minorias.

Nunca foi tão difícil ser jornalista no Brasil. A credibilidade dos veículos está abalada e o fenômeno das “Fake News” e da “Pós-Verdade” tem tomado conta da sociedade. Concorremos com as redes sociais em busca da atenção das pessoas.

É por isso que a independência é tão importante. Porque ela significa que, quando estamos investigando um fato, podemos seguir todos os caminhos necessários sem medo de chegar onde a história pode nos levar. Significa que estamos livres para fazer as perguntas que ninguém mais faz. E que podemos mudar a história, quantas vezes for necessário.

Ao contrário de muitos outros veículos de comunicação, não cobramos do leitor pelo que produzimos. Nós produzimos jornalismo de qualidade e mantemos nossa produção aberta e acessível a todos, independentemente de classe social, etnia, cor de pele, orientação política ou sexual. Essa é a base da nosso cultura empresarial. A base dos nossos princípios. E uma empresa séria se constrói com trabalho árduo e princípios.

Segundo Joseph Pulitzer, jornalista que dá nome ao maior prêmio da nossa área, o “jornalismo é a profissão que requer o conhecimento mais largo e profundo e os mais firmes fundamentos de caráter”. Nós acreditamos que ele estava certo e honramos sua memória e seu legado. Seguimos o exemplo de Isaac Newton, em sua frase escrita em 1675:

Se eu vi mais longe, foi porque estava sobre os ombros de gigantes.

Nos apoiamos sobre os ombros dos gigantes que vieram antes de nós e travamos uma luta intensa todos os dias para que as próximas tenham em nós, algo pelo qual se orgulhar.