O governo de Mato Grosso anunciou na última segunda-feira (23) que vai construir 200 novos leitos no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande, em apenas duas semanas de trabalho. Segundo o governado Mauro Mendes, a rapidez da construção segue um modelo de projeto chinês, que foi utilizado durante a pandemia do coronavírus (Covid-19) no país. O orçamento total da obra é de R$ 2,5 milhões.

O objetivo é finalizar o mais rápido possível e deixar a estrutura 100% pronta para receber os pacientes diagnosticados com a doença e que precisem de atendimento. O prazo estimado para concluir toda construção é de aproximadamente duas semanas. Os profissionais do setor da superintendência de obras da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), começaram os trabalhos na última sexta-feira (23), com a vistoria do local onde será construído a nova estrutura. Na segunda-feira (23), foi iniciada a terraplanagem da área para preparação do solo para construção da estrutura.

De acordo com o cronograma de obras, na quarta-feira (25) serão iniciados os trabalhos de elétrica e hidráulica para montagem da estrutura. Essa força-tarefa de reforço para entregar a construção será rápida, pois o modelo do projeto prevê a montagem das paredes com painel isotérmico, mesmo sistema usado na China. Um modelo eficiente de fácil montagem que otimiza o tempo de obra. O valor do investimento é estimado em R$2,5 milhões. A compra dos materiais será realizada diretamente com a fábrica, reduzindo assim o custo.

O processo para realizar a equipagem dos leitos já começou. De acordo com a secretária adjunta de Gestão Hospitalar, Caroline Dobes:

Foram adquiridos mais de cinco mil itens de diversos equipamentos para estruturar os novos leitos.

Segundo o governador Mauro Mendes:

O nosso desafio é fazer, no menor espaço de tempo possível, uma obra de mais de 200 leitos que serão construídos aqui. Esse hospital, dentro de poucas semanas, vai estar com capacidade para atender 260 pessoas que estiverem em situação grave.

Após a conclusão das obras no Hospital Metropolitano, a estrutura será referência no Estado para atender os pacientes da Covid-19. A unidade, após a pandemia, ficará com os leitos de forma definitiva. A escolha do Metropolitano se ao fato de o Hospital já ter toda a infraestrutura como referência. Ou seja, caso precisasse levar o paciente para algum procedimento que requeira raio-x ou qualquer outro exame, será muito fácil e prático. O que não ocorreria se o local escolhido fosse um estádio, ginásio ou mesmo um hotel.