Depois de decretar situação de emergência em Sinop na manhã deste sábado (21), a prefeita Rosana Martinelli divulgou uma série de medidas que devem ser adotadas nos próximos dias para tentar conter o surto de coronavírus (Covid-19) no município. A mais impactante para o cidadão é o fechamento quase total do comércio, que deve ocorrer a partir da próxima segunda-feira (23) e durar um período mínimo de 15 dias.

Segundo a gestora, as ações foram decididas em conjunto através de várias reuniões entre os membros do Gabinete de Situação de Enfrentamento ao Coronavírus, formado por várias secretarias municipais. Neste primeiro momento, todas as empresas que prestem serviços ou forneçam produtos que não são considerados essenciais devem permanecer fechadas. A medida se aplica, inclusiva, para trabalhadores informais, como ambulantes.

Já os serviços privados considerados essenciais devem permanecer funcionando. São eles: tratamento e abastecimento de água; geração, transmissão e distribuição de energia elétrica e gás; postos de combustíveis, com exceção das conveniências; assistência médica e hospitalar; distribuição e comercialização de medicamentos e gêneros alimentícios, tais como farmácias, supermercados, mercados, mercearias e padarias; funerários; captação e tratamento de esgoto e lixo; telecomunicações; processamento de dados ligados a serviços essenciais; segurança privada e imprensa. Ainda assim, estes devem adotar medidas estratégicas para evitar o contágio e a proliferação do vírus.

Vale destacar que a quantidade de pessoas em supermercados e farmácias será limitada e a recomendação é a de que não haja mais do que uma pessoa a cada dois . Outros serviços como bancos, cooperativas de crédito e lotéricas também estão livres para atuar, mas precisam adotar providências específicas para evitar aglomerações e garantir a segurança dos colaboradores e dos clientes.

E, apesar da proibição do funcionamento, o comércio em geral pode atuar na modalidade de entrega (delivery), desde que reforce as medidas de higienização.

Foto: Assessoria da Prefeitura

De acordo com o secretário municipal de Finanças, Astério Gomes, este é o momento do cidadão sinopense usar a consciência coletiva.

Quero conclamar a todos os empresários de todos os ramos que entendam o momento e possam estar fechando as suas empresas. A penalidade que vai haver, até seguindo a orientação da prefeita Rosana, que não quer penalizar ninguém, é que se tiver algum estabelecimento vamos pedir que se feche imediatamente. Empresários já se colocaram à disposição em fechar todo o comércio. Todo o sacrifício vai valer a pena.

O decreto, porém, não determina o fechamento da rodoviária e do aeroporto, uma vez que, segundo o secretário, o movimento nestes espaços vem sofrendo uma redução gradativa devido as medidas federais já implementadas.

Não é pelo fato de os ônibus deixarem de fazerem seu transporte, bem como os aviões, que a prefeita tem deixado de se preocupar com o aeroporto e rodoviária. A Secretaria Municipal de Saúde vem monitorando os passageiros que entram em Sinop.

As medidas previstas no Decreto poderão ser reavaliadas a qualquer momento, a medida que a situação do município em relação ao surto melhore ou piore. Até a manhã deste sábado (21), quando o decreto foi anunciado, a Secretaria de Estado de Saúde, investiga dois casos suspeitos de coronavírus em Sinop.